ACESSO RÁPIDO

Chega de Silêncio

Em defesa do SUS e sobrevivência das instituições filantrópicas

 

Mostre que você está ao lado das Santas Casas e hospitais filantrópicos!
Clique aqui ou aponte a câmera do seu celular para o QR CODE abaixo e coloque seu nome no abaixo assinado. Vamos atingir 10 milhões de assinaturas para defender o SUS e as instituições filantrópicas.

 EM DEFESA DO SUS

 

1. Afinal, por que uma campanha em favor das Santas Casas e hospitais filantrópicos?

As 1824 Santas Casas e hospitais filantrópicos são responsáveis por mais da metade dos atendimentos do SUS no país.
O problema é que, a cada ano, há um déficit superior a R$ 10 bilhões na assistência que prestam ao SUS.
É a diferença entre o que é gasto para prestar assistência aos pacientes e aquilo que efetivamente é pago pelo SUS aos hospitais.

A conta é simples:

De cada R$ 100,00 que os hospitais gastam para atender um paciente
O SUS paga apenas R$ 67,00
A diferença são R$ 33,00

Quando multiplicamos isso pelo volume assistencial das Santas Casas de hospitais filantrópicos, chegamos ao déficit superior a R$ 10 bilhões ao ano, que em grande parte é coberto com fontes de financiamento próprias e, não raramente, recorrendo ao sistema bancário.
E muitas não conseguem mais pagar esta conta: nos últimos 6 anos, 315 instituições fecharam as portas, acarretando milhares de leitos a menos para pacientes do SUS.
É a crise mais cruel da história de 479 anos das Santas Casas e hospitais filantrópicos.

 

2. A Campanha Chega de Silêncio

A Confederação das Misericórdias do Brasil (CMB) lançou a campanha Chega de Silêncio como forma de mobilizar a sociedade e fazer um chamamento aos deputados federais, senadores, governadores, ministros e ao presidente do Brasil para que as Santas Casas e hospitais filantrópicos sejam reconhecidos, valorizados e que se encontre uma nova forma de financiamento para assegurar o atendimento à população mais carente.

Os objetivos da Campanha

  • A alocação imediata de recursos para o equilíbrio econômico e financeiro no relacionamento com o SUS, da ordem de R$ 17,2 bilhões.

  • Criação de alternativas de financiamento para SUS, para viabilizar financeiramente as Santas Casas e hospitais filantrópicos e evitar a desassistência de milhões de pacientes em todo o país.

  • Reconhecimento e valorização destas instituições, fundamentais para o Sistema Único de Saúde.

São diversas ações que acontecerão em todo o país e todos podem apoiar e participar.

 

3. E a nossa Santa Casa de Porto Alegre

Em 2021, tivemos um déficit de R$ 155 milhões com os atendimentos ao SUS.

Para cobrir o prejuízo, a Santa Casa utilizou recursos oriundos de consultas, exames e procedimentos de convênios e particulares, estacionamento, bistrôs, além de empréstimos bancários que acarretam o pagamento de juros e a diminuição da capacidade de investimentos em melhorias dos serviços.

 

4. Entenda ainda mais/Outras informações importantes

  • Desde 1994, o reajuste médio da tabela do SUS foi de 93,77%. Como comparação, o salário-mínimo teve aumento de 1.597,79% e o gás de cozinha de 2.415,94% .

  • As Santas Casas e os hospitais filantrópicos são fundamentais para a saúde pública no Brasil. São 1824 instituições com 169 mil leitos hospitalares e 26 mil leitos de UTI.

  • Anualmente realizam 5 milhões de internações, 1,7 milhão de cirurgias e mais de 280 milhões de atendimentos ambulatoriais.

  • O Brasil é o único país com mais de 200 milhões de habitantes que tem um sistema de saúde público e gratuito: o Sistema Único de Saúde (SUS).

  • A remuneração é feita pelos serviços produzidos com base na tabela de valores do Ministério da Saúde, que está totalmente defasada e gerando enormes prejuízos financeiros.

  • O equilíbrio econômico e financeiro na prestação de serviço ao SUS é urgente para a manutenção dos atendimentos nas 1824 Santa Casas e hospitais filantrópicos do país.

5. Já pensou como seria a saúde pública no Brasil sem as Santas Casas e os hospitais filantrópicos?

A verdade é que isto é impensável, seria o caos. Estas instituições são responsáveis por 51% dos atendimentos aos pacientes do SUS no Brasil. Além disso, em 824 municípios, são o único serviço de saúde à disposição da população.

O modelo de financiamento da saúde pública do país não se sustenta mais e está muito próximo do colapso. A alocação de R$ 17,2 bilhões anualmente é a única alternativa para a sobrevivência das Santas Casas e os hospitais filantrópicos.

 

6. Ato no dia 19 de abril

O dia 19 de abril será dedicado a manifestações e alertas aos gestores públicos em todo o país. Nesta data, os hospitais filantrópicos não farão atendimentos eletivos de consultas do SUS, deslocando as agendas para os primeiros dias possíveis em datas subsequentes.


Na Santa Casa, o apoio ao movimento Chega de Silêncio também se dará através de um ato de mobilização em defesa do SUS e sobrevivência das instituições filantrópicas. Na próxima terça-feira, 19 de abril, convidamos todos os nossos colaboradores, usuários, pacientes, clientes e comunidade em geral para se unirem a nós neste importante movimento que faz um apelo para que possamos garantir a assistência aos milhares de usuários do Sistema Único de Saúde.

Participe!

Data:19 de abril de 2022

Horário: 11 horas

Local: Hospital da Criança Santo Antônio | Entrada dos ambulatórios SUS - Rua Sarmento Leite, 77