ACESSO RÁPIDO
Institucional

Estudos da Santa Casa são publicados nas principais revistas médicas do mundo

Publicado 08 de abril de 2021
Estudos da Santa Casa são publicados nas principais revistas médicas do mundo

O Centro de Hipertensão Pulmonar da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre, liderado pela médica Gisela Meyer, participou de dois grandes estudos internacionais para a avaliação de novas medicações para o tratamento da hipertensão arterial pulmonar, que foram publicados no The Lancet e no The New England Journal of Medicine em março e abril, respectivamente. Tratam-se das mais importantes e prestigiadas revistas médicas do mundo, que publicam pesquisas científicas da área da medicina.

O estudo REPLACE, publicado no The Lancet, avaliou o uso da medicação Riociguat em pacientes com hipertensão arterial pulmonar e risco intermediário de mortalidade no período de um ano. Esse estudo foi um ensaio randomizado que contou com a colaboração de 81 centros em 22 países.

Já o estudo PULSAR, publicado no The New England Journal of Medicine, teve como objetivo investigar a eficácia e a segurança do Sotatercept para o tratamento de hipertensão arterial pulmonar. Esse estudo constituiu-se de um ensaio clínico randomizado multicêntrico internacional com duração de 24 semanas. Como principal resultado, o tratamento com Sotatercept reduziu a resistência vascular pulmonar em pacientes recebendo terapia de base para hipertensão arterial pulmonar, incluindo terapia de infusão de prostaciclina, restaurando a homeostase vascular.

“Poucos hospitais em nosso país figuram nos dois principais periódicos médicos do mundo praticamente ao mesmo tempo. Além de ser um fator de muito orgulho para a nossa instituição, representar o país com estes estudos tão relevantes e promissores para aqueles que sofrem de hipertensão arterial pulmonar demonstra a excelência das ações em saúde desempenhadas pelos nossos profissionais”, celebra o diretor médico da Santa Casa de Porto Alegre Antônio Kalil.

A hipertensão arterial pulmonar é uma doença rara e progressiva caracterizada por remodelação vascular pulmonar. De acordo com Gisela Mayer, “os tratamentos atuais retardam a progressão da doença, no entanto, a taxa de sobrevida em cinco anos é de aproximadamente 60%. Por isso, existe a necessidade de novas terapias que melhorem a qualidade de vida e o prognóstico dos pacientes”, explica Gisela.

A íntegra do estudo publicado no The Lancet pode ser acessada aqui e o estudo publicado no The New England Journal of Medicine está disponível aqui.

Na imagem: Marcelo Bellon, Gisela Meyer e Fernanda Spilimbergo, pneumologistas do Centro de Hipertensão Pulmonar da Santa Casa.

Texto: Adriana Abad Contieri/Santa Casa
Imagem: Carol Fornasier/Santa Casa


428 visualizações