ACESSO RÁPIDO
Hospital Santa Rita

Santa Casa recebe equipamento que evita queda de cabelo na quimioterapia

Publicado 14 de setembro de 2021
Santa Casa recebe equipamento que evita queda de cabelo na quimioterapia

A Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre recebeu nesta terça-feira (14/9), durante ato realizado no Hospital Santa Rita, a doação de um equipamento que permitirá que pacientes do SUS tenham acesso ao tratamento de crioterapia capilar com a chamada Touca Inglesa, uma tecnologia capaz de evitar ou reduzir a queda de cabelos induzida pela quimioterapia. A doação, realizada pela Paxman Brasil e que teve a jornalista Cristina Ranzolin como madrinha, torna o Rio Grande do Sul o terceiro estado do país a oferecer o tratamento no SUS.

Como destacou o diretor médico e de ensino e pesquisa da Santa Casa, Antonio Kalil, "é um grande privilégio para a Santa Casa contar uma tecnologia que humaniza tratamentos e que, de maneira geral, traz impactos importantes para o aspecto emocional dos nossos pacientes”. Além da Santa Casa de Porto Alegre, o Instituto Nacional de Câncer (INCA), no Rio de Janeiro, e a Santa Casa de Vitória, no Espírito Santo, são os únicos a oferecer o acesso ao tratamento para a rede pública.

O ato de doação contou com a participação da jornalista Cristina Ranzolin; do provedor, Alfredo Engelrt; do diretor médico do Hospital Santa Rita, Carlos Eugenio Santiago Escovar, além do diretor da Paxman Brasil, Gustavo Spritzer.

Como funciona  a touca

A touca, conectada a uma unidade de refrigeração, é colocada na cabeça do paciente cerca de 30 minutos antes, mantida durante e em torno de uma hora e meia após a infusão das drogas, dependendo do protocolo adotado. O sistema resfria o couro cabeludo a uma temperatura em torno de 20°C. Com isso, diminui o fluxo sanguíneo nos folículos capilares e reduz a absorção dos fármacos na região. 

A tecnologia de resfriamento do couro cabeludo vem sendo desenvolvida há décadas, e curiosamente já utilizou até mesmo melancias na cabeça de pacientes, nos primórdios dos estudos. Ao longo de mais de 20 anos de pesquisas com a Touca Inglesa, pacientes relataram a diminuição da alopecia a ponto de dispensar o uso de lenço ou peruca. A taxa de sucesso depende do tipo de medicação administrada, 50% para as mais fortes e até 92% nas menos agressivas e a sensação de frio foi tolerada por 98% dos pacientes. A terapia não é indicada para os tipos de câncer hematológicos ou para alguma alergia ao frio. 

Muito além da estética

Estudos revelam que a queda de cabelo é um dos efeitos colaterais mais traumatizantes da quimioterapia e causa danos que vão muito além do aspecto visual. As consequências são graves e até podem incidir na desistência do tratamento. Uma importante novidade foi divulgada pela NATIONAL COMPREHENSIVE CANCER NETWORK – NCCN, com impacto direto para pacientes oncológicos. O uso da crioterapia capilar, por meio da Touca Inglesa, agora faz parte das Diretrizes de Prática Clínica em Oncologia da NCCN para pacientes que vão iniciar o tratamento para câncer de mama, ovário, peritoneal e trompa de falópio. A novidade reforça a importância e consequências da possibilidade de manutenção dos cabelos durante a quimioterapia. A atualização destas diretrizes foi impulsionada pelo resultado de um extenso estudo científico submetido à FDA (U.S. Food and Drug Administration), que desde 2016 já certifica o uso da Touca Inglesa para pacientes de mama e recentemente expandiu para outros tipos de tumores sólidos. 

Texto e imagem: Vinícios Sparremberger


156 visualizações